Tratamento Pré e Pós-Cirúrgico

site 11.jpg

Todo tecido submetido a uma cirurgia sofre algum tipo de lesão. Essa lesão precisa ser restaurada imediatamente após a agressão tecidual. Nesse processo, chamado de reparação tecidual, serão tratados os edema (inchaço), as equimoses (manchas roxas) e a formação de tecido cicatricial (fibrose).

 

O pós-cirúrgico atuará prevenindo e tratando tais alterações, possibilitando uma recuperação mais rápida e evitando períodos longos de limitações.

 

É importante que o tratamento seja realizado por um profissional especializado e com experiência em pré e pós-cirurgias, assim como, em procedimentos de medicina estética utilizando aparelhos de última geração para cada caso e procedimento específico.

 

Tratamentos:

 

Drenagem Linfática: é uma técnica em que são realizados movimentos com suavidade, baixa intensidade de pressão e ritmo constante, com o objetivo de tratar patologias diferentes, reabsorvendo edema, hematomas e removendo impurezas do corpo. É extremamente importante para um bom resultado da cirurgia plástica e também em procedimentos de medicina estética.

 

Liberação Tecidual Funcional: é uma nova técnica manual que veio para agregar às outras técnicas de pós operatório de cirurgias plásticas. Essa técnica especial é utilizada para cuidar do paciente de pós-operatório imediato e tardio. Devolve a flexibilidade e a funcionalidade aos tecidos que ficam aderidos e com fibroses pela própria cicatrização pós-operatória. 

 

Manthus: é o único com o exclusivo cabeçote Tripolar com correntes Estéreo-Dinâmicas (Eletrolipoforese). O exclusivo cabeçote Tripolar gera, ao mesmo tempo, ultrasom e correntes estéreo-dinâmicas, permitindo que o tratamento seja mais rápido e efetivo. Ele é especialmente importante em pós-operatório de pacientes que tenham tendência a formar fibroses de difícil tratamento.

 

Ultrassom: quando o ultrassom penetra no corpo, ele pode, imediatamente, exercer um efeito sobre as células e tecidos  a partir de dois mecanismos: o térmico e o atérmico.
Uma avaliação adequada é importante, pois esses mecanismos atuam com diferentes efeitos em seus processos de cicatrização e/ou reparo das lesões.
Quando o US desloca-se através dos tecidos, uma parte dele é absorvida e isso conduz a geração do calor dentro do tecido. Esse é o efeito térmico cujo objetivo é diminuir o processo fibroso ou aderência no pós-cirúrgico tardio, e o efeito atérmico no pós imediato, utilizando-se o US de 3MHz. As forças geradas pelas correntes acústicas produzem alteração na permeabilidade da membrana, levando à liberação da serotonina e também contém fatores da lesão essencial para o reparo bem sucedido.
O efeito atérmico é indicado no pós-cirúrgico imediato na fase da inflamação, que é uma fase dinâmica de reparo. Seu efeito é puramente mecânico (micromassagem) que terá uma importante contribuição na vascularização do retalho ou lesão, facilitando a drenagem linfática.

 

Led e Laser:  acelera a cicatrização e regeneração dos tecidos, evita a formação de aderências e de quelóides. No pós-peeling químico ou a laser, acalma a pele minimizando o desconforto e diminuindo a inflamação. Tratamento indolor e seguro, podendo ser utilizado em todas as faixas etárias e em todos os tipos de pele. Tratamento não invasivo, sem efeitos colaterais  e que permite tratamentos de várias regiões ao mesmo tempo.

 

Radiofrequêcia: o aquecimento induzido aumenta o metabolismo das células dos fibroblastos e a remodelação do colágeno, o que gera a aparência de uma pele mais firme e retraída a longo prazo. O aparelho é ótimo para tratar e prevenir aderências e flacidez de pele no pós-operatório.

 

Endermologia: é um procedimento que associa massagem à vacuoterapia e que ajuda no aumento do fluxo sanguíneo e da nutrição celular. O aparelho promove massagem local com a ajuda de esferas, que ficam em sua base inferior, fazendo a sucção da pele. Reduz e previne fibroses, aderências e ativa a circulação.

 

Microcorrentes: equipamentos de Eletroterapia são amplamente utilizados para a regeneração do retalho cutâneo na fase de cicatrização, favorecendo a redução da isquemia do retalho e a normalização do número dos fibroblastos, evitando a necrose e prevenindo as cicatrizes hipertróficas. Esses são os benefícios da Microcorrentes. 
Em 1982 Cheng et al demonstrou as vantagens da microcorrentes: método não ivasivo, subsensorial, fornece energia necessária e suficiente para o retalho cutâneo, ausência de riscos, aumentando o ATP em até 500%, 30% a 40% no transporte de aminoácidos, aumento da captação de O2 e da síntese de proteínas (Universidade de Luvain-Bélgica).

 

Kinesiotape: é  uma técnica japonesa que utiliza bandagens elásticas funcionais e hipoalergênicas para aliviar a sensação de dor e o inchaço. Essa técnica é bastante utilizada por atletas na prevenção, tratamento e otimização muscular.